Criar Anúncio!
Entrar na Área Pessoal Lista de imóveis

Data: 1/4/2020
Frequência: Diária
Edições: Gratuitas

Pesquisar Notícias

Pesquisar

ler mais Agenda

26 out 12 a 28 out 12 - Madrid - Palacio de Congresos de Madrid Salón de la Vivienda de Madrid

31 ago 12 Home Ownership Fair Switzerland

09 agosto 2013

Em tempos de serôdia e curta “siliy season”, notícias animadoras chegaram finalmente de Portugal!

Imprimir
Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

Num momento em que a larga maioria dos que vivem em Portugal diariamente “brinca aos pobrezinhos” e em que 210.000 portugueses dos mais jovens e preparados tiveram de emigrar e buscar um novo rumo para as suas vidas, seria aconselhável que a escassa minoria privilegiada se remetesse ao silêncio e recato do seu lazer. Mas este ano, a “silly season” parece mesmo condenada. Agosto trouxe a “SWAP season”.

Para uns, permuta no mercado financeiro de posições de risco e rentabilidade, para outros, mais um imbróglio financeiro criado por operadores desse mercado para ajudar a “ viciar” contas públicas e Orçamentos de Estado. Uma coisa parece certa, no pós-2008 o cidadão comum passou a desconfiar de qualquer operação em que a banca esteja envolvida particularmente com o Estado. Justificada ou não, essa é uma nova realidade e as instituições financeiras, seus quadros e governantes, devem ter em conta esse cenário, ao tomarem suas decisões. Mas afinal, “cadê” as notícias animadoras? Subida dos índices de produção industrial, um sustentado crescimento das exportações com ganhos de quota no comércio internacional e uma tímida descida da taxa de desemprego. E na fileira da construção e do imobiliário? Recentemente o governo divulgou, um programa de 50 medidas de apoio ao setor da construção e do imobiliário, que vão ao encontro das principais sugestões e recomendações dos operadores do setor e da CPCI (Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário).

Em consonância com o “Compromisso para a competitividade sustentável do setor da construção e do imobiliário" do citado programa destacaríamos 5 pilares de primordial importância: Reabilitação urbana, financiamento das PME´s, formação profissional de desempregados, apoio à internacionalização e regularização das dívidas do Setor Estatal às empresas do setor. No âmbito da reabilitação urbana o alargamento da iniciativa “Jéssica” (Joint European Support for Sustainable in City Areas) a novas áreas de intervenção como a logística e residencial (particulares) e o direcionamento até final da sua execução, de 3,7 mil milhões de euros do QREN (Quadro de Referência Estratégica Nacional) para investimentos em infra - estruturas e equipamentos de proximidade (educação, saúde e apoio social). Também o programa de estágios e formação profissional previsto e destinado à qualificação e reconversão dos desempregados da construção civil para novas áreas de atuação é uma boa notícia.

O setor da construção tem mantido ao longo de décadas, níveis de qualificação, produtividade e valor acrescentado muito baixos e sabemos que a reabilitação, construção sustentável e eficiência energética, são áreas bem mais exigentes em capacitação e competências. Diagnosticadas as necessidades, definidos os instrumentos de intervenção, deve ser assegurada um rigoroso controle de qualidade do programa, evitando maus exemplos do passado com o desperdício dos “dinheiros públicos” em “formação profissional” para fins exclusivamente ocupacionais. Esta é mais uma oportunidade de trazer às empresas maior capacidade técnica, especialização e de as tornar mais competitivas no mercado interno e externo, que não pode ser desperdiçada. Outro dos graves problemas do setor é a elevada dívida do Estado e Autarquias.

Um Estado “totalitário” na altura de arrecadar mas que não cumpre na altura de pagar as obrigações contratualizadas. Promete-se agora, a calendarização do pagamento das dívidas e o acompanhamento efetivo da aplicação do regime de liberação das cauções prestadas como garantia em obras públicas, estimada em cerca de 3 mil milhões de euros. Aguardemos. São boas notícias e de esperança para a fileira da construção e do imobiliário. Em simultâneo Portugal tem de “enterrar” em definitivo os modelos de urbanização do passado, que desvalorizando o seu património natural, danificando a sua orla costeira e paisagem, desertificando o interior e deixando degradar os seus centros históricos, muito contribuíram para o atual estado das coisas. Por aqui, neste lado do oceano, continuamos a participar desses novos tempos de esperança e onde cada vez mais empresas e quadros portugueses estão reiniciando suas vidas e atividades profissionais.

Fonte: Jorge Garcia, Especialista em Imobiliário

Total de comentários:1Comentários

(11 ago 13 08:46) Rui avila

O compromisso para a competitividade sustentável foi assinado, salvo erro, em Abril. Tem noticia do que aconteceu desde então? Os 3,7 mil milhões já estão a circular? Sabe se a comissão de acompanhamento que foi criada já produziu algum relatório? De facto foi criada muita expectativa, esperemos que não se instale a desilusão! Ruid'Avila

Comentário

Submeter

Os comentários são sempre sujeitos a apreciação prévia. Ficam excluídos da sua colocação online os comentários considerados ofensivos, insultuosos, difamatórios, inflamados, discriminatórios, e desadequados ao texto alvo de comentário.